Educação Permanente

Home Ensino e Pesquisa Educação Permanente

O Hospital do Subúrbio (HS) realiza atividades de educação permanente com a finalidade de qualificar a sua força de trabalho. Direcionada a todos os colaboradores, a educação permanente atinge principalmente as equipes de enfermagem, técnicos de radiologia e padioleiros (maqueiros). Para atender às necessidades de atualização e treinamento de médicos, fisioterapeutas e demais profissionais, são organizados programas específicos.

A capacitação da equipe multidisciplinar para atendimento integral dos usuários envolve treinamentos teóricos e práticos que ocorrem em salas de treinamento e/ou em serviço, nos postos de trabalho. São utilizados recursos audiovisuais e empregada metodologia adequada a cada conteúdo e público alvo.

Esses treinamentos abordam o manuseio de equipamentos, artefatos e dispositivos diversos, a partir do cumprimento de normas técnicas e princípios de segurança ao profissional. Também treinam o colaborador para a aplicação de protocolos – recomendações desenvolvidas de forma sistematizada com o objetivo de apoiar os profissionais de saúde e o usuário na tomada de decisões acerca dos cuidados em situações específicas.

Capacitados, os colaboradores melhoram a qualidade de atenção e a eficiência do trabalho, realizam práticas mais seguras, aperfeiçoam os processos de controle e auditoria, e atuam com base em processos padronizados, otimizando recursos e racionalizando custos.

Através da educação permanente, o HS busca atualizar as equipes de assistência direta e indireta ao paciente e desenvolver suas habilidades em relação aos procedimentos operacionais padrões, diretrizes institucionais e aspectos éticos inerentes a cada profissão. A cada nova necessidade de capacitação, são promovidos treinamentos específicos.

O programa de capacitação é elaborado após observação prévia do processo de trabalho nas unidades assistenciais, por meio de um diagnóstico situacional, para auxiliar na elaboração dos fluxos de trabalho e na identificação das necessidades que impactam a segurança da assistência direta ao paciente. A prioridade recai na verificação das ações dos profissionais com maior freqüência e relevância.

A atualização das equipes assistenciais, por sua vez, decorre da complexidade da assistência aos pacientes, implementação ou revisão de rotinas ou práticas, aquisição de equipamentos, introdução de políticas ou diretrizes institucionais, otimização de processos de trabalho, acompanhamento de indicadores de segurança, gerenciais e da ocorrência de não conformidades. Para possibilitar o controle dos índices de capacitação institucional, a confirmação da participação do colaborador é feita com a aplicação de listas de freqüência.