Secretário de Saúde de Pernambuco aprova modelo de gestão do Hospital do Subúrbio

Home Notícias do HS Secretário de Saúde de Pernambuco aprova modelo de gestão do Hospital do Subúrbio


Conhecer o funcionamento de uma das principais unidades hospitalares da Bahia, o Hospital do Subúrbio (HS), em Salvador. Este foi o objetivo da visita do secretário de Saúde de Pernambuco, Antônio Carlos Figueira, nesta quinta-feira (24). No HS, ele foi recepcionado pela diretora-geral da unidade, Lícia Cavalcanti, e pelo diretor técnico, Jorge Motta.

Após uma rápida reunião, os diretores apresentaram as dependências do hospital ao secretário, que veio à capital baiana acompanhado do cirurgião cardiovascular, Fernando Figueira, coordenador dos serviços de transplante cardíaco e de cirurgia cardíaca adulta no Estado de Pernambuco.

O secretário observou que o modelo estrutural, idêntico ao do Hospital do Subúrbio, foi adotado em Pernambuco. “Há dois anos, nossa equipe técnica esteve aqui e conheceu este hospital. A partir disto, implantamos o mesmo projeto arquitetônico em Caruaru. Lá, vamos inaugurar o Hospital Mestre Vitalino, em dezembro”.

O secretário também informou que a unidade pernambucana será gerida por Organização Social (OS). Ele ainda elogiou a gestão do Hospital do Subúrbio, que é por meio de Parceria Público-Privada (PPP). “Uma gestão muito eficiente com parâmetros e indicadores positivos. O secretário Jorge Solla acertou e a Bahia está de parabéns”.

A alta resolutividade do Hospital do Subúrbio e o índice de satisfação dos pacientes – superior a 94% – foram alguns dados repassados pela diretora Lícia Cavalcanti, durante a visita. “Somos a única unidade do país em que a gestão técnica assistencial e a de apoio são feitas integralmente por meio de PPP”.

Conforme a gestora, o HS deve entrar num período de expansão, a partir de 2014. “Nossa intenção é manter a alta complexidade e os serviços de urgência e emergência e passar a atender os casos de média e baixa complexidade, em um prédio anexo. Queremos que o hospital se torne referência para traumas e urgência”.

Fonte – Ascom/Sesab